Vazio

Em um fio qualquer da madrugada a noite dormia e tudo calava, exceto o eco no peito. Algo estalava, era a falta ardendo e mesmo em brasa não esquentava o pé. Era uma noite fria, tanto o tempo como o corpo sobre a cama quase vazia. Era a falta, a falta que latia, esmurrava a alma, estremecia a pele e erguia os fios do corpo.

Sou
o avesso
do direito
que nunca
ei de ser.

Frio na barriga. Essa era uma porcaria de metáfora. Era mais como um tiro.

O silêncio era profundo e o único som que ele escutava, era o da gota d’água que caía sobre a cama em virtude da enorme goteira presente no teto. Ele estava só e não tinha saída. As portas estavam trancadas, as luzes apagadas e o seu fio de esperança estava próximo de se romper. ”Por que a solidão não me engole de uma vez?” - ele se perguntava. O suicídio já não era mais uma ideia tão ruim e ele estava se tornando um passageiro da agonia. Até que ponto pode machucar o fato de ser só? Não há alegria em caminhar e ter como companhia apenas a sua sombra. O relógio estava congelado e o silêncio havia roubado os seus sentidos. Ele se jogou da sacada e ninguém notou.

És tu feito de pedaços de estrelas mortas, mesmo desfalecido, brilha quando a luz da cidade se apaga.

Exceção.

 

Não sei ao certo o que deu errado,
mas eu nasci curva.
Em um mundo de pessoas retas,
eu sou a curva onde os acidentes acontecem.

Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu.

Não pense que sou pessimista. Muito pelo contrário, sou toda vestida de otimismo. Mas eu tenho medo, muito medo. Medo de não conseguir, de não chegar lá, de não ter sucesso, de não conseguir as coisas que quero, de deixar tudo pela metade, de ficar perdida no meio do caminho sem luz, sem água, sem vida.

Dizem que levamos 7 minutos para dormir, e que nos primeiros seis minutos e cinquenta e nove segundos, nossa cabeça automaticamente reproduz cada um dos momentos vivido ao longo do dia. E que no último segundo aparece a pessoa que tenha nos feito a mais feliz naquele dia. Finalmente, o cérebro processa a imagem dessa pessoa e transmite em forma de filme, um filme chamado “sonho”.

É mais fácil murmurar os sentimentos do que dizê los em voz alta.

Estou tendo uns dias difíceis, mas nada, nada de grave. Dias escuros sem sorrisos, sem risadas de verdade. Dias tristes, vontade de fazer nada, só dormir. Dormir porque o mundo dos sonhos é melhor, porque meus desejos valem de algo, dormir porque não há tormentos enquanto sonho, e eu posso tornar tudo realidade. Quando acordo, vejo que meus sonhos não passam disso, sonhos; e é assim que cada dia começa: desejando que não tivesse começado, desejando viver no mundo dos sonhos, ou transformar meu mundo real num lugar que eu possa viver, não sobreviver.

1 2 3 4 5 Próxima