C   redit

Sou uma obra brasileira de informações densas, contraditórias, num ciclo de busca pela coerência, que nunca termina. Me colocaram no hospital público, no barraco de favela, sobre o corpo da empregada doméstica arrastada pela viatura da PM. Por vaidade do artista que não estava aberto a críticas, fui publicado nos lugares de onde não valorizam a opinião.

Observava as pessoas à distância, como numa peça de teatro. Apenas eles estavam no palco e eu era platéia de um homem só.
Bukowski 
2399reblog
Nunca me dei bem com as palavras, porém adoro as músicas, elas sempre falaram por mim.
P.S. Eu Te Amo.  
Eram dez horas da noite. A lua estava cheia e minha vida não tinha sentido.
Charles Bukowski. 
1953reblog
19reblog
Camuflar

Vou me camuflando em melancolia

no mundo que desconheço,
nas pausas do meu silêncio.

Maria Caroline

Era preciso agradecer às flores
Terem guardado em si,
Límpida e pura,
Aquela promessa antiga
Duma manhã futura.
Sophia de Mello Breyner Andresen 
80reblog
Corações quebrados,
olhos alagados,
sorrisos forçados.
Os culpados?
Os amores
acabados.
— Gabriela Santos, convalescida.
1143reblog
Ninguém ligou, ninguém vai ligar. O visor do telefone não acusa uma mensagem perdida. E-mail, sinal de fumaça, uma chamada não-atendida. Nada.
Esteban. 
Pois já forjou o seu sorriso
E fez do mesmo profissão
A vida é sempre aquela dança
Onde não se escolhe o par
Por isso às vezes ela cansa
E senta um pouco pra chorar.
Chico Buarque. 
477reblog

Se eu não choro eu afogo,

apronto pra dentro de mim.
Vou morrendo em silêncio,
nem sabem que eu fico assim.
Morro na fila do banco,
no banco no fim do jardim.
Morro quando acordo cedo demais,
quando olho pro teto e vejo o vazio sem fim.
Eu morro aos finais de semana,
quando a vida gira, gira, gira.
E eu não aprendi a girar assim.

Jorge de Castro